Os muitos resultados da personalização da experiência de aprendizagem

Em um mundo de CTRL+C / CTRL+V, personalização cativa a atenção de forma imediata, e vamos lembrar aqui que atenção é uma commoditie altamente disputada em todas as áreas do mercado de trabalho. Porque seria diferente na sala de aula?

Você ainda usa aquele velho fundo de Power Point? Seus slides ainda tem a mesma cor e imagens do semestre passado? Do ano passado? Você vai à frente de uma audiência – seja na sala de aula, em uma palestra ou uma apresentação pessoal como candidato a uma vaga – e mostra mais do mesmo? Sinto informar, mas a atenção (e os resultados) que você não conquista é diretamente proporcional ao diferencial que você não mostra… Mude essa realidade!

magicaQuero lhe apresentar 3 excelentes motivos para repensar seu material e sua abordagem, migrando para a personalização de roteiros, slides e material de apoio à aprendizagem. Abrir espaço para o estímulo visual

Se você quiser um material personalizado, desenvolvido por mim, é só escrever para dradenisedavinha@gmail.com solicitando maiores informações.

O processo é todinho online e os resultados são inenarráveis! Vamos lá?

Ah! Surpresinha: quem ler até o final, vai ganhar P-R-E-S-E-N-T-E-E-E-E!

 

1. Economia da atenção: já ouviu falar?

Mudanças de mindset (para professores e estudantes) são processos, e não produtos. São processos espelho: um estudante que não percebe o engajamento do professor em transformar as aulas, também não se sentirá compelido a se engajar, para transformar seu papel na aprendizagem. Esse é todo o segredo do sucesso: mudanças de dentro para fora.” (Texto na íntegra aqui)

Há muito escrevi sobre a importância de aplicar os novos conceitos de Economia da Atenção ao planejamento didático: um recurso simples e altamente eficaz para transformar a sala de aula e os resultados dos estudantes, frente à aprendizagem e a aquisição de competências (leia o texto na íntegra aqui). Isso é ir além do conteúdo.

economia-da-atencao
Trecho destacado do livro O guia completo do Storytelling, de Fernando Palacios & Martha Terenzzo, Editora Alta Books, Rio de Janeiro/RJ (2016).

A aplicação do conceito de Economia da Atenção modifica um paradigma essencial da atuação docente, qual seja, passar do “dar aulas” para o “desenhar trilhas de aprendizagens”. O conceito aplicado da economia da atenção modifica substancialmente o fluxo do trabalho docente, passando o centro do processo de si, para o estudante.

Em termos de economia da atenção, mais-é-menos. Em outras palavras, se um professor deseja – de verdade – ganhar a atenção do estudante e, assim, despertá-lo para seu papel protagonista no processo de aprender, ele precisa não preencher horas e horas de aulas com assuntos prontos, mas com pontos de contato (ou touch-points) capazes de instigar o desejo do estudante em engajar-se no assunto, explorando-o de forma significada.

Esse é o primeiro resultado da personalização do material didático: a ATENÇÃO DO ESTUDANTE para um processo todinho pensado nele e feito para ele. Isso mexe com o emocional, e as neurociências já nos ensinaram (e eu já ensinei nos cursos de Ciclo de Aprendizagem) como as emoções são importantes marcadores de adesão do novo conhecimento às redes de conceitos subsunçores, perfazendo o circuito neural da aprendizagem.

Trabalhei esse conceito de emoções e aprendizagem nos textos sobre como usar o modelo Jornada do Herói de Storytelling, e o componente de emoções versus retenção da aprendizagem você pode ler aqui.

Em outras palavras, ao se tornar o foco claro da atenção do professor, cada estudante reage e interage a essa atenção, a seu modo e repertório, dedicando mais tempo para explorar o “novo” (afinal o material é novo, e a turma anterior nem viu!), o que de per se já implica em maior dedicação à aprendizagem e desenvolvimento de protagonismo.

conexoes-mentaisO material personalizado amplia a captura de fase das áreas envolvidas com a aprendizagem, aumentando a captura neural, melhorando a atualização das redes de conceitos subsunçores que são os determinantes da aprendizagem atingida.

Um estudante envolvido com o material e processos que esse material estimula, desenvolve competências para além do conteúdo, em uma formação para a Vida, e não, para a prova.

Resumo puro e prático das teorias de Inteligência Emocional e Neurociências do Foco e Atenção, do super Daniel Goleman.

 

2. Ativar lógica-criativa como modelo mental de engajamento na aprendizagem

E já que falamos de neurociências, é impossível não destacar a necessidade de desenvolvimento de processos lógico-criativos como caminhos para a aprendizagem significativa. Falamos mais desse assunto nesse post, que foi parte do material de trabalho do Workshop para Docentes e Coordenadores de Cursos de Fisioterapia, no 11o. Congresso Internacional de Fisioterapia (Salvador/BA, Setembro/2019).

Nas capacitações do modelo Ciclo de Aprendizagem (nível 1 e nível 2) essa é a tônica das atividades: mudar a narrativa para uma cadência mais criativa, estimulando áreas cerebrais direitas a trabalharem em parceria com o lado lógico esquerdo, mais “dominador e autoritário”.

C2 modelo protagonista
Tudo baseia-se em estimular um set-point emocional favorável ao desenvolvimento de um Growth Mindset no estudante: (a) acreditar que habilidades podem ser treinadas e que competências podem ser desenvolvidas; (2) superar desafios, para desenvolver resiliência; (3) adotar modelos colaborativos, para soluções melhores e mais ágeis.

Mais do que uma realidade de mercado, isso é uma verdade científica: explorar soluções junto com evidências, inovação e treinamento, em processos modulados e simultâneos.

Outra base desse segundo resultado da personalização é trabalhar com o foco no PORQUÊ, um princípio dos líderes, explicados pelo Golden Circle. Já escrevi sobre isso aqui no blog, e esse princípio faz parte da formação em Ciclo de Aprendizagem Nível 2.

 

3. Líderes inspiram: esse é o papel fundamental do professor

Há competências que podem ser treinadas pela repetição de movimentos, trajetos ou métodos: essas são as competências de Aprendizagem (domínios cognitivo e psicomotor de Bloom) e as hard-skills (técnicas). Há outras, porém, que precisam ser estimuladas repetidamente, até que se tornem um hábito: essas são as atitudes (domínio psicoafetivo de Bloom) e as soft-skills (socioemocionais).

A escolha da identidade visual; do material de apoio didático à aprendizagem é tão importante quanto o próprio planejamento de competências.

cocriar2Ele estimula o engajamento na medida em que emoldura o compromisso docente com a personalização da trilha de aprendizagem formativa, a partir do perfil de cada turma. Não é refazer todo o material, a cada semestre: isso é o conteúdo. É usar dinâmicas de diagnóstico didático para identificar expectativas e perfil de cada turma para adaptar a narrativa: isso é formar competências, com o conteúdo.

Um material personalizado é um espelho para o estudante: ele também estimula competências indiretas, como criatividade, inovação e personalização, pelo exemplo e pela liderança que o professor e suas práticas didáticas inspiram. Personalizar material, aulas e interações, traz para a sala de aula essa, que é uma prática altamente valorizada no mercado de trabalho: agregar repertório e valores à oferta de processos, produtos e serviços.

É assim que vamos além do conteúdo e das competências, na formação de egressos aptos a atuar e adaptar-se a um mercado de trabalho em contínua evolução e aos hábitos de consumo que se transmutam com a dinâmica do desenvolvimento tecnológico.

 

Personalizar é o bicho!

Se você é professor ou estudante, que vai apresentar algum trabalho ou seminário (sim, porque aí você se torna o professor da vez!), essa é a grande dica: PERSONALIZE! Use sua criatividade, seu repertório, desenvolva mais habilidades, comunique suas ideias em novos formatos e cores, imprima mais de você ao agir e interagir com qualquer audiência.

O sucesso não tem segredo nem mapa garantido, mas se tem uma coisa que o sucesso tem é a característica de se destacar pelo diferencial. Portanto, ao se diferenciar da média – quando comunica-se com sua audiência – você já andou metade do caminho do sucesso.

Veja um exemplo de quem já entendeu que a personalização transforma a experiência de aprendizagem, engaja a atenção, comunica com mais eficácia e estimula competências para que cada estudante descubra seus próprios repertórios para personalizar sua interação, no processo de aprendizagem:

TEM PRESENTEEEEE!

Gostou desse universo? Se você quiser um material personalizado, desenvolvido por mim, é só enviar um e-mail para dradenisedavinha@gmail.com solicitando maiores informações. O processo é todinho online e os resultados são inenarráveis!

Para ajudar você a personalizar suas experiências didáticas (aulas, apresentações, palestras ou seminários), você tem 3 presentes abaixo:

  1. minha apresentação de palestra, no 11o. Congresso Brasileiro de Fisioterapia, sobre Neurociências e Inteligência Emocional: perceba que imagens, cores e disposição de elementos possuem um papel mais importante na indução da ideia, do que as letras e o conteúdo propriamente escrito. Aqui o foco era trazer a atenção para o que eu falava, com o lado lógico cerebral, enquanto a tela era um grande pano de fundo estimulando, visualmente, o lado criativo. Foi assim que criei mais vias para fixação da mensagem que eu queria passar: neurodidática cativa, engaja e estimula protagonismo, na audiência.
  2. quer mudar seus slides? Vai aqui uma mãozinha (um arquivo de Power-Point) para você usar em apresentações que desejam despertar para a criatividade e inovação;
  3. mais um presente? Teeeemmmmm! Aqui vai mais um arquivo de Power-Point para mudar os velhos modelos…

 

11 Congresso Internacional de Fisioterapia, Workshop – Estação 3: CO-CRIAÇÃO como estratégia ativa de aprendizagens complexas

Aqui você encontra 4 textos de apoio para uma dinâmica presencial em Estações Rotativas de Trabalho para conhecer o Ciclo de Aprendizagem em Ação. Uma  sistematização de inovações para a sala de aula, pautada na ANDRAGOGIA DO DIÁLOGO, que considera, que considera: [1] Trilhas de Aprendizagem com mindset de crescimento (pautado em competências) com [2] reorientação da narrativa do conteúdo, centrada na aprendizagem do estudante, [3] que se completa na expansão da sala de aula e nas [4] estratégias conectadas às competências em formação, bem como no [5] desempenho com foco na Legislação para o Ensino Superior (Inep/MEC).

 

Estação 3: CO-CRIAÇÃO e COMPLEXIDADE (Prof. Mayron Souza e Silva, Facilitador)

Vamos falar de estratégias, seus tipos e desempenho, dentro de um Design de Aprendizagem? Você pode buscar mais conhecimento sobre esse assunto usando a terminologia de estratégias neurodidáticas, ou neuroeducação.

Há muitas classificações para as estratégias de ativação da aprendizagem, e cada uma delas considera um ponto de vista, dentro desse processo. Nas capacitações docentes baseadas no conceito de Ciclo de Aprendizagem adotamos o conceito que assume 3 tipos clássicos de estratégias, segundo a conexão que fazem entre as competências envolvidas e o perfil de conhecimento que está em processamento.

bitm-mayron-1.jpgAs experiências que o Prof. Francisco Mayron de Sousa e Silva trouxe para compartilhar abordam o tipo mais complexo: ESTRATÉGIAS GENERATIVAS, onde a CO-CRIAÇÃO DE MODELOS recupera e estabelece novas e mais fortes relações entre rede subsunçora, nova aprendizagem e aplicação prática.

Essa classificação compila 3 grandes áreas de teorias da aprendizagem e, particularmente as experiências compartilhadas pelo Prof. Mayron, usam como base a TEORIA DA APRENDIZAGEM GENERATIVA DE WITTROCK (1974).

“De acordo com esta teoria, os sujeitos apreendem o significado da
informação através da produção ou construção de relações entre a nova
informação e o conhecimento já guardado na memória a longo-prazo.
Inclui quatro componentes principais – criação (generation), motivação,
atenção e memória … (Wittrock, 1990)”. Leia material na íntegra aqui.

1. Os tipos de estratégias e a experiência de co-criação

Para situar o leitor no cenário das estratégias, apresentemos as 3 classes:

  1. Mnemônicas, quando a meta é memorizar dados brutos, sem razões rastreáveis. Aplicadas, de forma geral, para unidades curriculares do ciclo básico de cursos superiores, que utilizem normativas, fatos, eventos, datas e nomenclatura técnica. Nessa classe encontram-se as codificações duais, as técnicas de organização e as de associação de ideias.
  2. Estruturais, mais eficazes quando aplicadas para o desenvolvimento de competências não-técnicas ou socioemocionais, porque organizam a aprendizagem em pequenas ideias relacionadas entre si de modo a agilizar a recuperação da memória neural. Nelas se encontram os mapas conceituais, diagramas, fluxos, esquemas e todos os recursos que combinam textos a imagens.
  3. Generativas: também chamadas de matemagênicas (Rothkopf), usam a co-criação de material, por parte dos estudantes, ajudando a estabelecer relações entre ideias e integrar o novo conhecimento às redes subsunçoras. Usadas principalmente na aquisição e desenvolvimento de competências técnicas (hard-skills), incluem destaques, notas, formas de responder e perguntar, modelos, maquetes e detalhamentos.

Dessa maneira, as estratégias de modelagem e co-criação que se encontram apresentadas nessa estação de trabalho, pertencem à classe de mais alta complexidade na formação de competências e de aprendizagem.

2. Co-criação como estratégia de aprendizagem: o coletivo e a complexidade

Temos 2 experiências em momentos curriculares diferentes, mas que o mesmo design de trilha de aprendizagem foi aplicado: a co-criação pela modelagem. De um lado, Fisioterapia em Queimados; do outro, Administração em Fisioterapia.

Mas o que é co-criar?

Um grande exemplo para demonstrar o quanto ideias revolucionárias são produto de um conjunto de ideias de várias pessoas é se nos atentarmos em descobrir como surgiu a teoria da evolução e da seleção natural. Se alguém chegar a você e perguntar quem foi o responsável pelas ideias que sustentam a teoria da evolução e da seleção natural, quase que de imediato a resposta será Charles Darwin.

cocriar2O que poucos sabem é que para que essas teorias fossem desenvolvidas várias pessoas estavam envolvidas nesse projeto. Assim como Darwin, o cientista Alfred Wallace também estava debruçado em ler os mesmos livros e viajar para lugares, próximos aos de Darwin. Foi a junção das ideias, e do trabalho de todos envolvidos em desenvolver esse mesmo projeto, que chegamos aos resultados que comprovaram essas teorias.

Esse “fenômeno” pode ser denominado como cocriação. A Cocriação nada mais é do que o “criar junto”, é um conceito importante e bastante fortalecedor, pois todos nós sabemos que não podemos fazer nada em nossas vidas sozinhos. Sozinhos não vamos a lugar algum.

Co-criação é uma expressão que vem ganhando força no mundo do trabalho, sob diferentes aspectos. Essencialmente co-criar é criar coletivamente uma realidade, e significa trazer inovação por meio da associação de pessoas, ideias ou elementos de fora de um sistema (empresa, curso, aula), agregando valor, conteúdo, inovação ou marketing ao negócio, e recebendo algum tipo de benefício pela contribuição contribuído.

Co-criar em sala de aula é um exercício de recuperação coletiva de memória e construção, modelando externamente aquilo que queremos remodelar internamente, em trilhas mentais de aprendizagem. Co-criar resgata 4 dimensões de competências no estudante: saber, fazer, ser, empatizar.

Para o docente, é preciso selecionar o melhor momento na trilha de aprendizagem para aplicar esse tipo de estratégia generativa: se precoce demais, ela não alcança seus objetivos de estabelecer e atualizar as relações de conhecimentos; se tardia em demasia, ela perde o sentido de interesse e de vínculo, sendo incapaz de despertar a 4a dimensão de competência, que é a empatia.

2.1. O co-criar em queimados: a densidade dos conhecimentos nas redes subsunçoras

bitm Mayron-2O Prof. Mayron mergulhou fundo no potencial da unidade curricular de Fisioterapia em Queimados quando reuniu todas as 4 dimensões em um momento crucial: depois da revisão de morfofisiopatologia dos tecidos e graus de queimaduras, e antes de seguir rumo às intervenções fisioterapêuticas.

hexa-FOCOEsse momento, considerado ideal na trilha de aprendizagem, faz a união entre o foco da aprendizagem e as habilidades de comunicação, do coletivo dos estudantes (grupos) que devem co-criar a experiência de um caso clínico de queimadura, por meio de tintas, maquiagem e material de artes, para simular uma realidade.

mayron Q

Ao todo, 4 grupos se dividiram em 4 regiões/graus de queimadura, de acordo com o caso clínico recebido, e passaram ao processo de co-criação visual da queimadura, tendo como meta a visualização dos elementos morfopatológicos que deveriam estar presentes, de acordo com o relato do caso que receberam.

hexa-ENGAJQuando se associa o conhecimento lógico à expressão criativa de aspectos de sua essência – neste caso, o aspecto visual do relato de uma queimadura – a mobilização mais complexa das vias neurais ocorre como resultado do acionamento de muitas e múltiplas áreas cerebrais envolvidas. Nasce, de forma espontânea, o ENGAJAMENTO dos estudantes no aprofundamento da aprendizagem.

hexa-SIGNEntre a recuperação da memória (escrita e visual) dos elementos necessários para compor a tarefa (anatomia, fisiologia, fisiopatologia) e a expressão concreta do resultado (cores, texturas, densidades e elementos), acontece o construto coletivo, ou seja, a contribuição do individual para a co-criação, inteligente e criativa, do resultado almejado.

A aplicação dessa estratégia combina as relações de elaboração, reflexão, julgamento e design do tema, de acordo com a personalização do estudante, e a expressão, de acordo com o repertório coletivo de habilidades.

2.2. O co-criar em Administração: detalhes da EMPATIA

Na unidade curricular de Administração, o componente empático define investimentos e estrutura, design de ambientes, e soluções para o bem-estar do paciente em trânsito pelas instalações de uma clínica de Fisioterapia.

dicas-EMP

Usar a modelagem de maquetes, em unidades curriculares teóricas como Administração, transporta o estudante para o mundo empresarial onde o diferencial é oferecer mais que o acesso a um atendimento: é preciso oferecer uma experiência memorável de recuperação funcional, e cada elemento arquitetônico possui uma função para essa finalidade.

dicas-OCEANO

IMPORTANTE: se você não domina (ainda) como planejar as competências de aprendizagem, e como elas se conectam com as demais competências, tem OFICINA ONLINE sobre TAXONOMIA DE BLOOM, para docentes, explicando esse passo a passo. Clique aqui e comece a entender esse novo universo agora mesmo!

 

3. Conclusão

Aproveite o material dessa estação de trabalho e converse com o Prof. Mayron, que está presente para trocar ideias e mostrar que mudanças de mindset geram mais resultados que recursos randomicamente aplicados, como estratégias isoladas para “adornar” velhas aulas teórico-expositivas.

Essa estação de experiência de trabalho contém, ainda:

  • 1 Design de Aprendizagem para você fazer download aquireferente a esta experiência de trabalho com Ciclo de Aprendizagem, e entender como funcionou o processo que viu aqui;
  • Uma experiência em Realidade Aumentada (que será apresentada nessa estação de trabalho) para você se inspirar e saber que mudar é possível, requer dedicação (mas vale muuuuito à pena), e tem ferramentas gratuitas online, para lhe ajudar nesse processo.
  • Tem uma SUPER oficina online AQUI para estudantes, professores e profissionais entrarem nesse novo mundo da tecnologia e da experiência de usuário como eixo fundante de novos processos, produtos e serviços profissionais. Faça e recomende aos seus colegas e/ou estudantes: saia da zona de conforto!

magicaGostou?! São 3 estações de trabalho, 3 oportunidades de conhecer novas maneirsa de trazer o mundo para a sala de aula, e de levar a sala de aula para esse novo mundo exponencial!

Não perca um só minuto dessa oportunidade e leve para sua IES as novas ideias e capacitações. Mudar de conceito (no MEC) é mudar os conceitos (de práticas docentes).