A Jornada do Herói: 7 passos para um Storytelling de aprendizagem

No texto anterior convidei você a pensar diferente, em relação ao planejamento da aprendizagem, na sua disciplina. Afinal, não há uma única maneira de planejar, e nem de fazer, absolutamente nada, nos tempos atuais.

sherlockAliás, essa única maneira de fazer alguma coisa chama-se método: uma sequência exata para se reproduzir um experimento, ou uma experiência, exatamente como um precursor já o tenha feito. Não é diferente quando o assunto Storytelling: contar histórias pode ter múltiplos propósitos e, portanto, múltiplas maneiras de se fazer.

Na pesquisa, levamos métodos e metodologias muito a sério, mas na sala de aula a realidade é outra, por várias razões. As principais delas são: o planejamento estudante-centrado, foco das novas (e erroneamente chamadas) metodologias ativas; e o fato de que nenhuma turma é igual à sua antecessora, sendo necessário ter flexibilidade para ajustar métodos, convertendo-os em estratégias.

Estratégias são recursos mais flexíveis e podem ser personalizadas de acordo com os múltiplos fatores que diferenciam as IES, os Cursos, as regiões nacionais, as disponibilidades de recursos materiais e de infra-estrutura tecnológica. Assim, vamos deixar nosso primeiro acordo feito: não estamos tratando da metodologia de um Storytelling, mas de estratégias para um Storytelling adaptável às suas necessidades, e às suas realidades de sala de aula.

para ondeHá muito material disponível se você fizer uma pesquisa Google com os termos “jornada do herói” e “storytelling“. As diferenças vão do propósito ao construto do roteiro, mas todas elas têm uma origem comum, e é com essa origem que você deve aprender para, só depois, evoluir para um construto próprio.

Esse é um excelente exercício de se fazer: conhecer outros universos, e outras ferramentas de aplicação, para os mesmos recursos, que agora também podemos usar na Educação. Além do Storytelling, seguem nessa lista de descobertas e pesquisas: Design Thinking, realidade aumentada, machine learning, deep learning, além – claro – de inteligência artificial e analítica.

A questão aqui é: como começar a aplicar essa estratégia, com finalidade de aprendizagem?

É preciso garantir alguns elementos que, em outros formatos e propósitos de Storytelling não sejam assim tão essenciais. É aqui que a experiência prática ganha força em compartilhar uma trajetória.

Eu inicio agora, aqui com você, nesses textos de Storytelling, uma jornada online de formação para professores, estudantes e profissionais. Serão textos sequenciais, e complementares entre si, para você se atualizar, refletir, ousar, tentar, errar, aprender e transformar suas práticas nesse 2019. Aproveite!

Vamos lá!

Todos temos em comum a necessidade de aprender: para o professor, essa necessidade está no estudante; para o estudante, essa necessidade está em si próprio, a caminho da vida profissional; para o profissional, a necessidade está no seu público/consumidores/clientela, em fazer um despertamento para os diferenciais dos processos/produtos/serviços que oferece, perante um mercado de trabalho competitivo.

piscadinhaAtualmente, o papel de formação de opiniões, em todos os níveis, está amplamente centrado nas mídias (sociais e profissionais) e, portanto, para todos os públicos, comunicar de forma eficiente seus valores, propósitos e diferenciais, carece de uma boa narrativa, ou de um bom Storytelling.

Tempos modernos exigem estratégias inovadoras!

A definição que se costuma dar é que storytelling é a prática de se contar uma boa história. E este “boa”, na imensa maioria das vezes, quer dizer relevante. Ou seja, uma história que consiga reter a atenção do interlocutor – esteja ele onde estiver – e que, de preferência, marque-o, fique em sua memória. Uma narrativa bem articulada, com começo, desenvolvimento e final específicos, e que de alguma forma capture o público – seja por meio do drama, da tragédia, da comédia ou da ação, não importa.

Leia esse texto completo da Endeavor aqui

A estratégia da JORNADA DO HERÓI

emotion neurosciencesTodos gostamos de histórias que nos identificam, e essa é uma afirmação que deriva das neurociências da aprendizagem. Tudo o que nos identifica emocionalmente, amplia a captura neural (mecanismo pelo qual se desenvolve a atenção e a memorização) e ativa mais áreas cerebrais, no arquivamento dessa memória. Quanto mais vívida a narrativa, mais áreas podem ser envolvidas nessa captura neural.

Portanto, narrativas com riqueza de detalhes, hipóteses, emoções impactantes (boas ou ruins), memórias olfativas ou gustativas, recursos auditivos (como música, sons “suspeitos”, vozes) tendem a promover duas grandes respostas do sistema nervoso: atenção voluntária e ampliação do recrutamento de áreas cerebrais na composição dessa memória. Em outras palavras: UMA APRENDIZAGEM FORTE E AMPLIADA.

A jornada do herói, em termo erudito, “Monomito”, é uma concepção cíclica presente em narrativas mitológicas. Quem difundiu o conceito foi o antropólogo Joseph Campbell, exímio pesquisador da escrita, que possibilitou o entendimento da narratologia, a ciência da narrativa. (…) Quando posta em prática, esse modelo de narrativa faz o leitor se conectar mais facilmente à história, percebendo uma sintonia entre sua pessoa e o personagem central da trama.

Fonte: “A jornada do herói: conquistando pessoas com histórias”, Paulo Maccedo.

Usar a Jornada do Herói na sala de aula tem como meta a identificação do estudante com o “herói” da narrativa, e a vivência desse estudante, dentro do enredo, como personagem ativo. A construção desse herói-personagem é a chave para que a aprendizagem atinja seus objetivos.

A clássica Jornada possui 12 passos ou etapas, focadas na narrativa sobre o trajeto de vitória do herói e, muitas vezes, é extensa demais ou complexa demais para o modelo conteudista da maior parte dos Projetos de Cursos Superiores, no Brasil. É preciso uma adaptação para que ele reverbere da sala de aula para os registros (necessários) do Curso e da IES, junto ao MEC.

jornada do heroi-1
Esquema ilustrativo da Jornada do Herói, uma estratégia base de roteiros para narrativas em filmes e livros. Aqui, ela foi utilizada na Educação, como estratégia dentro do modelo Problem Based Learning/PBL. Fonte: A PBL Project is Like the Hero’s Journey (acesse o texto completo aqui).

A adaptação da Jornada do Herói para elementos requeridos no Ensino Superior

A experiência prática me mostrou que eram elementos demais para lidar no planejamento, em disciplinas do Ensino Superior. Mais que isso: eu precisava, ainda, alinhar a estratégia da Jornada às competências de aprendizagem (Taxonomia de Bloom), para efeitos de documentação legal (Planos de Ensino, PPC e visitas do MEC), e também ao perfil de competências diretas, cuja formação era a responsabilidade das minhas disciplinas.

Essa necessidade me motivou a estudar mais sobre o assunto, e encontrar uma solução mais viável para minhas práticas docentes, as necessidades legais e locais, bem como alinhá-la ao universo de conhecimento das minhas disciplinas e áreas de conhecimento. Foi assim que a Jornada do Herói em 7 passos (faça o download da facilitação gráfica aqui) acabou ganhando os elementos da Andragogia, adicionados de um desfecho que aproxima essa estratégia do Arco de Maguerez, conhecido de quem trabalha com problematização.

Na área da Saúde, particularmente, esses são nossos melhores pilares de contextualização e essa adaptação da Jornada do Herói atendeu a múltiplos objetivos, de forma clara e rastreável, aos quais todo professor universitário tem de responder, e sobre os quais se responsabilizar, seja perante seus superiores, seja perante a sua classe profissional para a qual forma os egressos.

Nos textos que seguirão, nos próximos dias, ficará mais fácil entender o como e os porquês dessa convergência e adaptações. Explicarei cada um dos 7 elementos da Jornada do Herói, e a forma de compô-los em vários Storytelling, para sua sala de aula. Vá para o texto seguinte e conheça como desenhar Cenário e Personagens do seu Storytelling.

checked

Vamos trocar figurinhas lá no Instagram?

5 comentários em “A Jornada do Herói: 7 passos para um Storytelling de aprendizagem

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s